Quando a dor é muito forte e parece muito maior que eu, estou preferindo escrever, para não chegar ao ponto de cometer um erro que não tenha como corrigir ou tornar o mesmo que antes.

Me jogaram uma responsabilidade que eu nunca tive a chance de falar sobre, de escolher, ou me adequar, nem jogar em cima de mim, jogaram…

Mas eu não tenho capacidade para suportar (em todos os sentidos da palavra), mas essas pessoas ainda acham que tem o direito de dar opinião, julgar, falar mal, ou até dizer que eu não faço nada ou não faço o bastante, mas ao comparar a vida delas e a minha, a única que tem renunciado à 85% de todos os sonhos, objetivos e metas, sou eu.

Eu não sou ouvida, não me sinto bem, não confio em ninguém principalmente nos que alegam “cuidar”, “fazer e acontecer”, mas isso só faz parte do discurso, porque na pratica, quem está ali sou eu. 

Estou morrendo, ninguém liga, mas estou, só que dessa vez  não são com cortes, machucados ou tentativas de dar fim à vida, mas são as facas apontadas para mim, esperando que eu as receba com um sorriso largo no rosto, me diz como? A que eu tenho que me apegar?

Como eu disse, me jogaram essa responsabilidade, me trouxeram pra esse lugar sem nem me perguntar, eu não consigo sair e nem posso, e não pense você que a única coisa que, a meu único pedido da vida, ela me deu, porque pelo contrário, ao saber que esse é um pedido meu, ela continua a me decepcionar, não me dando o mínimo pra ter esperança de que as coisas vão, finalmente, melhorar, do que estou falando? Do direito de ter uma casa, na qual, pessoas que não fazem parte dela (dormindo, cuidando, trabalhando e até contribuindo) tenham o direito de opinar. 

Deveria ser meu… meu lar, minha casa, meu único lugar seguro, tá longe disso é cada dia, mais distante,
Eu quero ser ouvida, preciso dizer que eu não confio em vocês, porque vocês me tornaram isso, viram coisas erradas e não fizeram nada, me viram apanhar e não fizeram nada, viram um filho roubar e não fizeram nada, e ainda acham e sentem orgulho de dizer que não poderiam porque não puderam, não passam de medrosos, e por não ter esse medo, a corda arrebentou, continua arrebentando, e sempre arrebentará para o lado mais fraco, esse lado sim, é meu, e eu espero ter de onde tirar forças pra continuar suportando todas essas porradas que a vida, Deus, vocês, a sociedade, o mundo como um todo, acha que tem o direito de me dar todos os dias. 

Não é uma reclamação, é um desabafo de alguém que está por um fio, um pedido pra que ouçam, essa é minha única exigência, eu to lutando muito pra não desistir.

Mas sei que no fundo, o que importa é o umbigo de vocês, então, vão lá, viver tudo o que podem, fazer tudo o que querem, falar o que quiserem, doa a quem doer, mesmo que essa não seja a verdade.

Eu espero de verdade, que a conta chegue um dia pra todos nós, porque o que parece, é que os injustos, os desonestos, os errados, são sempre perdoados e não respondem por nada nessa vida.

O fiapo de vida que resta, estou me apegando.

Leitura: Crença Inabalável 

Resultado de imagem para crença inabalável
Autor: Sandro Rodrigues
Editora: BUZZ
Número de Páginas: 208

Sinopse: A palavra “resiliente” expandiu-se muito nos últimos anos no uso cotidiano da língua portuguesa, especialmente no mundo corporativo. É sem dúvida uma das pedras de toque de qualquer empreendedor. Mas ela parece ser insuficiente para descrever este livro.

Em “Crença Inabalável”, Sandro Rodrigues compartilha conosco a sua trajetória, dedicada exclusivamente à empresa de cosméticos Hinode. Fundada pelos pais de Sandro, a costureira D. Adelaide e o torneiro mecânico Sr. Francisco, a Hinode começou como um empreendimento de venda direta quando Sandro ainda era um adolescente. Com muito trabalho, rigorosa definição dos valores e rara força moral, a empresa familiar conseguiu um bom crescimento. Até o momento em que o deserto se pôs à sua frente.

Assim como Jesus, Sandro teve de enfrentar o grande deserto. Com disciplina e motivação incomuns, aliados à sua religiosidade, Sandro conseguiu enfim fazer a transição da Hinode para o marketing multinível, com base em três alicerces: paixão, crença e atitude. E assim transformou a vida de milhares de pessoas que atualmente são consultores da marca, com rendas mensais que jamais imaginaram.

A história de Sandro e da Hinode também poderá ser lida como um livro de aventuras, com direito a travessia a nado para salvar o estoque da empresa depois de uma enchente. “Crença Inabalável” é uma lição de tenacidade, liderança e uma demonstração inquestionável de que qualquer pessoa pode triunfar no mundo do empreendedorismo, independentemente de sua origem social.

Se tem uma coisa que deve estar sempre na moda é a leitura, o poder de definir se a leitura é boa ou não, é só quem lê, e eu sou o tipo de pessoa que se eu vejo alguém lendo um livro no transporte público ou com um livro na mão na rua, eu jogo logo no google pra saber sobre o que fala, quem escreveu, onde posso comprar e quando vejo, já li e estou atrás de outra leitura. E, se você é aquele tipo que, a eu queria muito ser assim, gostar de ler, ou pegar um livro e me envolver, mas não gosto, não me prendo e blá, blá, blá, só te digo uma coisa, uma jornada começa com o primeiro passo, mas se você não persistir, não valeu de nada se desafiar.

A série de livros que eu vou indicar daqui pra frente, são livros que eu vou começar a ler, vou fazer antes porque notei que eu acabo soltando um spoiler involuntário nas publicações, divulgando livro antes de ler, primeiro que eu me desafio a cumprir com o que posto no blog, segundo que da abertura pra você, depois, me perguntar o que eu achei e a gente conversar sobre, terceiro que eu vou estar lendo, eu vou ganhar e muito, sabe o lance do se desafiar e persistir?

Meu mais novo desafio está lançado.

Em algum lugar nessa tela tem o link para compra do livro.

Beijos, Iza 🤷🏽‍♀️🤭

Não imaginei que fosse escrever sobre você tão cedo, na vida as coisas nunca acontecem como a gente espera, né?

Eu até que gosto de você, e a necessidade de cuidar me fez ficar até agora, mas não da mais, não da pra viver à espera do momento em que você vai se tocar, acordar, tomar uma atitude, sacudir a poeira, dar a volta por cima ou só mudar o caminho. Na verdade, esperar eu até posso, só não quero…

Demanda tempo e energia para esperar por alguém que não da indício de que quer mudar de verdade, não só mudar no discursos, mas nas atitudes, dia a dia, não da, simplesmente não da, eu cheguei até aqui desistindo no discurso mas lutando, persistindo, mantendo minha palavra, não fui longe, mas to aqui né? Viver tá sendo uma luta pra mim.

Não posso perder essa vitória, esperando você decidir se vai querer ficar bem de verdade, esperamos voce levantar e lutar pelo pelo emprego, pela casa, pela família, por causas, projetos, sonhos que você tem/acredita.

Não da pra ser mais um peso que você arrasta pro seu barco que uma hora não vai aguentar mais. Não é um adeus, porque nunca é e, não da pra falar sobre o futuro, mas para o agora, é melhor a gente se soltar…

Gatilho

É difícil ser forte, principalmente quando é obrigado a lidar com gente egoísta, extremista… Pessoas tentando te prejudicar de todas as formas possíveis no trabalho, aquele grupinho na faculdade que faz você se sentir mau e mal, só de abrir a porta da sala, a família que sabe e muito bem como te cobrar, mas não te ajuda em nada, sem contar as pessoas que você conhece que se acham no direito de falar qualquer coisa pra você, ou “se conselho fosse bom, não daria, vendia, mas como eu…” , ou um “e só uma dica”, a “um comentário sem maldade”.

Mas nos impuseram que temos que lidar com tudo e todos com sorriso no rosto. Quero poder um dia dar um tapa com todo respeito e educação na pessoa que inventou isso e deixar registrado que, o eu quero dizer é que, EU NÃO QUERO SORRIR PRA VOCÊ. NÃO QUERO SER OBRIGADA A NADA.

To cansada de ter que abraçar a responsabilidade do mundo inteiro, tendo as minhas pra lidar, ter que ser legal com todos, quando ninguém é legal com comigo, ter que ajudar a todos, incentivar todos a viver, quando eu, todos os dias, só quero desaparecer.